-

Flamengo empata e Palmeiras vence Boca pela Libertadores

Flamengo empata e Palmeiras vence Boca pela Libertadores
Flamengo se manteve na liderança do grupo 4 da Libertadores ao empatar por 0 a 0 com o Independiente Santa Fe-COL, nesta quarta-feira, em Bogotá. Com o resultado, os rubro-negros chegaram a seis pontos, mas podem ser ultrapassados pelo River Plate-ARG, que tem cinco. Os colombianos somam quatro e o Emelec-EQU, na lanterna, com apenas um.


O Flamengo não mostrou um bom futebol nesta noite, em Bogotá, contudo, conseguiu balançar as redes no último lance da partida. Geuvânio desarmou um dos defensores do Santa Fe, porém, antes de o atacante rubro-negro seguir com o caminho livre em direção ao gol e, posteriormente, marcar, o árbitro Daniel Fedorczuk, optou por terminar a partida, fato grande indignação por parte do time brasileiro.
Na próxima rodada, o Flamengo vai receber o Emelec, no Maracanã, no primeiro jogo com presença da torcida nesta Libertadores. O Santa Fe volta a atuar em casa, desta vez contra o River Plate.
A partida começou movimentada, com as duas equipes voltadas para o ataque. O Independiente Santa Fe tinha mais posse de bola, mas também via o Flamengo avançar, principalmente pelos lados. Os donos da casa criaram a primeira boa chance aos oito minutos. Gordillo arriscou de longe, só que Diego Alves fez defesa segura.
O Santa Fe aumentou a pressão após o lance e chegou com perigo novamente aos 11 minutos. Após cobrança de escanteio, López subiu sozinho, mas cabeceou sobre o travessão. Os sustos fizeram os rubro-negros melhorarem na marcação. Assim, os cariocas passaram a impedir as boas jogadas dos colombianos.
O Flamengo começou a aproveitar o nervosismo do Santa Fe para conseguir espaços para avançar. Tanto que aos 26 minutos, Lucas Paquetá lançou Vinícius Júnior na área, mas o atacante foi travado pela zaga no momento da finalização. A resposta dos donos da casa veio aos 33, quando Pavoy cobrou falta na área e Morelo não conseguiu cabecear para a rede.
Mais uma vez, o Santa Fe se tornou mais perigoso e quase abriu o placar aos 34 minutos. Após blitz na área rubro-negra, Pavoy chutou em direção ao gol e viu Henrique Dourado colocar o braço na bola. Para sorte dos flamenguistas, o árbitro não marcou o pênalti.
Nos minutos finais, o Flamengo conseguiu parar os ataques do Santa Fe e ainda tiveram a última chance da etapa inicial, aos 45 minutos. Rodinei recebeu passe de Lucas Paquetá e arriscou o chute de fora da área. A bola passou próximo do gol. Assim, o confronto seguiu com o placar inalterado no intervalo.
O segundo tempo começou parecido com o primeiro, com o Flamengo buscando equilibrar o confronto. No entanto, o Santa Fe dominou o jogo logo nos primeiros minutos e levar perigo aos rubro-negros. Na melhor delas, aos 11 minutos, Arboleda cruzou rasteiro para Morelo. A bola passou por Diego Alves, mas Rodinei apareceu para salvar os cariocas.
Com o tempo, o Flamengo melhorou a marcação e teve espaço para ir ao ataque, mas sofria para criar boas chances. Tanto que aos 28 minutos, Renê cruzou para a área, Tesillo tentou o corte e quase fez contra. O lance animou os cariocas, que chegaram com perigo aos 32. Em contra-ataque rápido, Vinícius Júnior tocou para Diego, que chutou de fora da área para boa defesa de Zapata.
Ns minutos finais, o Santa Fe esboçou uma pressão, mas só assustou em um chute de Plata por cima do travessão. O Flamengo ainda terminou na bronca com a arbitragem, pois no último lance do jogo, Geuvânio roubou a bola do defensor, entrou na área e chutou para a rede. No entanto, o árbitro uruguaio Daniel Fedorczuk apitou o fim do jogo antes da finalização.

Palmeiras -Depois dos protestos de alguns torcedores em Buenos Aires (ARG), o Palmeiras deu a resposta em grande estilo na noite de quarta-feira. Com gols de Keno e Lucas Lima, venceu por 2 a 0 e "copou" o Boca Juniors dentro da Bombonera. O Verdão está classificado às oitavas da Libertadores.
A boa atuação alviverde na casa de um dos grandes times da competição é marcante. Foi a primeira vez que o Palmeiras venceu na Bombonera (eram quatro empates e uma derrota antes), e apenas a 13ª partida em que o Boca é batido em sua casa na Libertadores. Depois das frustrações do começo dos anos 2000 contra a equipe amarela e azul, o Verdão volta de Buenos Aires com um resultado gigante!
O barulho que a torcida do Boca faz antes da bola rolar impressiona. As faixas, chuva de papel picado, com a batucada e a garganta incansável dos argentinos criaram um ambiente hostil na entrada do Palmeiras ao campo. Mas os 2 mil palmeirenses que foram ao estádio viram seu time bem desde o início.
Da corneta à redenção 
Quando o Palmeiras caiu de rendimento, Marcos Rocha e Keno não vinham bem. O lateral-direto estava com problemas para marcar Pavón, e o atacante errava demais. Pois foi de um cruzamento de Marcos e o cabeceio preciso do camisa 11 que o Verdão fez 1 a 0 na Bombonera.
Susto antes do intervalo 
Já sem o mesmo barulho do começo do jogo, o Boca criou chances para o empate, ambas com Ábila, nos minutos finais do primeiro tempo. Logo após o gol, o centroavante perdeu inacreditavelmente, e na segunda fez o gol, mas estava impedido.
Jailson e Lucas Lima decidem 
Com o grito incessante de sua torcida, o Boca acuou o Palmeiras no segundo tempo. Os argentinos que cantavam para dar força ao time queriam era gritar gol, e alguns fizeram isso, duas vezes na etapa final. Mas os chutes de Pavón e Pablo Pérez pegaram na rede pelo lado de fora e enganaram parte do estádio. Quando os tiros tiveram direção, Jailson evitou o empate.
E na saída errada de Rossi, goleiro do Boca, Lucas Lima, tocou para o gol aberto, para fazer o 2 a 0 em favor do Verdão. Tevez até descontou, mas estava impedido. A festa na Bombonera, assim, foi murchando e que comemorou foi o Palmeiras.
Que venha o mata-mata 
Após 'copar' na Bombonera, o Verdão chega a 10 pontos e, já garantido nas oitavas, lidera o Grupo 8. O Boca está distante, com cinco.
Gazeta esportiva com Terra

Compartilhe :

veja também

Publicidade Publicidade Cacimba de Dentro-PB Secretaria de Educação Facebook

últimas notícias