-

OPINIÃO: Walter Santos analisa desafios e metas da nova fase de João Azevêdo

Jornalista e analista politico comenta a nova fase do governo João Azevêdo e a perspectiva para 2020.
06/01/2020

João Azevêdo: a conjuntura e os desafios com exigências urgentes para iniciar nova fase de fato


Quem acompanha atento e sem paixões a vida política na Paraíba sabe que o processo recente levou João Azevêdo a tomar decisões amargas de janeiro de 2019 em diante, sobretudo para salvar o governo e os compromissos assumidos em campanha tendo com isso que conviver com o rompimento do ex-governador Ricardo Coutinho ao exigir o inexigível.Segunda-feira, 6 de janeiro de 2020. Esta é uma data que tem tudo para ficar na história como marco de um processo político-administrativo no Estado movido por imposição do tempo diante de um 2019 turbulento e que, como a vida não para, está a exigir atitudes renovadoras do governador João Azevêdo.
TEMPO DE OUTRA PAUTA
O Governo João certamente sabe conviver e administrar a conjuntura com realismo, mas precisando adotar uma agenda positiva efetiva durante todo ano de 2020 porque, do contrário, será nutrir a pauta negativa de inspiração já conhecida onde está assimilada a decisão do governador de se imunizar.
Há condições efetivas de avançar em diversos programas ajustando meios e processos porque existem ações efetivas para re-impulsionar a economia atraindo investimentos externos novos  através, por exemplo, do Turismo (polo Cabo Branco está pronto), Infraestrutura  (Estaleiro de Lucena), etc, além da conclusão de obras em andamento no campo dos recursos hídricos, como Acauã-Araçagi e Transparaiba.
Neste processo, há urgência em manter sob equilíbrio as políticas fiscais, as contas do estado com atração de novos investimentos mas tendo de fazer o dever de casa debatendo e ajustando a Previdência, por exemplo, para garantir o futuro.
AJUSTES URGENTES
Se é assim, tomadas todas as cautelas legais, o tempo é de ajustar processo para garantir governabilidade preservando compromissos assumidos com a sociedade sem se descuidar da conjuntura.
Não é fácil conviver com um governo rude e retrógrado como de Bolsonaro, mas o republicanismo exige convivência protocolar com todos os agentes daí a necessidade de distinguir governabilidade e ideologia para tocar a vida pública a exigir dos governos decisões acertadas.
João Azevêdo tem experiência, bom senso e sabe como poucos o que há para fazer de positivo, portanto não há tempo a perder. É exatamente assim.
ÚLTIMA

Com:Wscom




Compartilhe :

veja também

Publicidade Publicidade Cacimba de Dentro-PB Secretaria de Educação Facebook

últimas notícias